viernes, 26 de octubre de 2018

As boas maneiras 'Los buenos modales' (Brazil France Germany 2017 - Marco Dutra & Juliana Rojas)[Portuguese][Spanish Subs]

 
 


PORTUGUÊS
Ana (Marjorie Estiano) contrata Clara (Isabél Zuaa), uma solitária enfermeira moradora da periferia de São Paulo, para ser babá de seu filho ainda não nascido. Conforme a gravidez vai avançando, Ana começa a apresentar comportamentos cada vez mais estranhos e sinistros hábitos noturnos que afetam diretamente Clara.


ESPAÑOL
Los buenos modales
Título original
As boas maneiras
Año
2017
Duración
135 min.
País
 Brasil
Dirección
Marco Dutra,  Juliana Rojas
Guion
Marco Dutra, Juliana Rojas
Música
Guilherme Garbato, Gustavo Garbato
Fotografía
Rui Poças
Reparto
Isabél Zuaa,  Marjorie Estiano,  Miguel Lobo,  Cida Moreira,  Andréa Marquee, Felipe Kenji,  Nina Medeiros,  Neusa Velasco,  Gilda Nomacce,  Eduardo Gomes
Productora
Coproducción Brasil-Francia; Canal+ / Centre National de la Cinématographie / Dezenove Filmes / Filmes do Caixote / Globo Filmes / Good Fortune Films / Urban Factory / ZDF/Arte

Género
Fantástico. Terror | Hombres lobo. Homosexualidad

Sinopsis
La misteriosa y adinerada Ana (Marjorie Estiano) contrata a Clara (Isabel Zuaa), una solitaria enfermera que vive a las afueras de São Paulo, para ser niñera de su hijo aún no nacido. Conforme el embarazo va avanzando, Ana comienza a presentar comportamientos cada vez más extraños, y siniestros hábitos nocturnos que afectan directamente a Clara. (FILMAFFINITY)

Premios
2018: BAFICI: Premio Especial del Jurado - Mención Especial
2018: Premios Fénix: Nominada a mejor película y montaje
2017: Festival de Sitges: Premio de la Crítica (Ex aequo), Sección oficial
2017: Festival de Locarno: Competición Internacional

Críticas
"Rojas y Dutre imprimen ritmo y temperatura (...) un estimulante territorio intermedio entre lo real y lo onírico. (...) un bello, terrorífico y melódico cuento"
Víctor Esquirol: Diario El Mundo

"Disfrutable y ambiciosa (...) Es un híbrido de cine de autor y de género que combina observaciones sociales agudas con excelente fantasía teatral."
Neil Young: The Hollywood Reporter

"Un buque insignia para el cine brasileño de autor y de género (...) Un tributo al perdurable y casi sobrenatural poder del amor materno"
John Hopewell: Variety

"Desafía al género y es genuinamente inesperada (...) Temáticamente rica, mezcla elementos fantásticos de terror con observaciones sobre la clase, la raza y la maternidad."
Wendy Ide: Screendaily

"Estiano y Zuaa forman un dúo hermosamente calibrado a nivel emocional (...) Tiene muchos momentos interesantes"
Mike D'Angelo: AV Club

"La intensidad discreta de Zuaa es hipnótica"
Serena Donadoni: Village Voice

"Tiene muy buen aspecto, gracias al director de fotografía Rui Pocas, y las actuaciones (...) son excelentes, con una actuación poderosa de Zuaa"
Oliver Lyttelton: The Playlist




As Boas Maneiras soa como mais uma etapa de compreensão do cinema já muito maduro de Marco Dutra e Juliana Rojas, que aqui encontram novas nuances para o horror, pulverizando-o num território fantástico dos mais atraentes, que mesmo cercado de estímulos estéticos, caminha lado a lado com a porção social que o longa carrega, sendo assim, o filme prova ser um belo exemplar de registro que sabe lidar com diversas frentes.
www.observatoriodocinema.bol.uol.com.br/criticas/2018/06/critica-as-boas-maneiras


É raro, porém extremamente divertido, eu ir assistir a um filme sem saber muito sobre o mesmo. Com o novo longa da dupla Juliana Rojas e Marco Dutra (que também juntos fizeram “Trabalhar Cansa”), foi assim. A sinopse não entrega nada e não tinha visto trailer algum, a surpresa foi inevitável. “As Boas Maneiras” é insano, bizarro e corajoso, e é lindo ver um filme brasileiro assim.

Da ideia que surgiu a partir de um sonho do diretor, acompanhamos a história de Clara (Isabél Zuaa), que se candidata a uma vaga como babá no luxuoso apartamento de Ana (Marjorie Estiano), que precisa cuidar de casa sozinha nas últimas semanas de sua gravidez. A aproximação das duas é feita desde a primeira cena e, num ótimo trabalho das atrizes, elas tomam contam da primeira hora do filme nos envolvendo com facilidade em uma história que vai se tornando bastante… surreal, digamos.

Ainda mais surpreendente para mim, a segunda parte do filme toma um rumo completamente inesperado e quase se transforma em uma outra história, como dois longas dentro de um. Não comentarei a fundo para não estragar surpresas, mas essa transição é feita de maneira magistral, embora eu prefira muito mais a primeira parte.

É perceptível na primeira metade, aliás, que é um filme sobre mulheres, indo muito além do tema tão presente da maternidade. Apenas dois personagens masculinos são relevantes para trama e os outros não têm nem mesmo seus rostos mostrados. São as mulheres que têm todos os outros papéis, relevantes ou não.

Marjorie Estiano se entrega a uma personagem difícil e convence como a menina que saiu do interior e foi para a cidade grande assumindo uma gravidez. E ela se torna ainda mais poderosa quando a história começa a caminhar para o lado sobrenatural. A cena do gato, seguida da cena em que Ana dança em frente à TV, é de uma genialidade pura, e a eficiência certamente não seria a mesma sem a força da atriz.

Isabél Zuaa mostra do que é capaz desde seu primeiro olhar e assume uma personagem muito complicada e rara de se ver. Uma mulher, negra, homossexual e pobre que não é representada unicamente por esses adjetivos, que fazem parte do que ela é, mas se tornam realmente apenas adjetivos diante da jornada da protagonista. Ela vive sua aventura e de plano de fundo tem a crítica sutil de viver em uma sociedade que não a reconhece por conta tudo o que já foi citado. E essa diferença se conecta diretamente com a reação dela com Ana e com o menino Joel, principalmente na segunda metade do filme, porque os dois foram umas das únicas poucas coisas que ela já teve na vida. E palmas para o roteiro também de Juliana e Marco, que torna isso tudo facilmente perceptível sem ser didático.

Outro acerto do roteiro é se levar a sério o suficiente para não perder a mão quando tudo começa a ficar mais sombrio. E é possível ver essa eficiência nas reações do público, que no começo pode até rir alto de algumas situações, mas chega a prender a respiração em momentos seguintes da projeção.

Com temáticas que remetem a “O Mistério de Grace” e “Raw”, “As Boas Maneiras” também ousa tecnicamente ao mostrar uma São Paulo mística, que claramente é irreal e aparece quase como uma pintura no fundo das cenas, mas se torna importante na ambientação fantástica da trama. Os efeitos também funcionam bem e fiquei surpreso ao ver a quantidade de efeitos gráficos que estão presentes em uma história que seria facilmente imaginada para efeitos digitais, que estão presentes também, mas somente quando necessários.

É muito difícil escrever sem spoilers sobre um filme tão grandioso e tão cheio de nuances. E talvez tentar ser coisas demais seja até um dos defeitos de “As Boas Maneiras”, que mesmo em seu título provoca críticas à sociedade, à religião e ao modo como vivemos. O longa ainda conta com belos momentos musicais na troca de atos (que me remeteram ao ótimo “Sinfonia da Necrópole”, também de Juliana) e os poucos furos do roteiro acabam sendo perdoados pelo universo fantástico e o envolvimento com a história. É um longa corajoso que nas mãos erradas nem chegaria a existir. Para a nossa sorte, temos Juliana e Marco sabendo muito bem o que estão fazendo.
www.ccine10.com.br/as-boas-maneiras-critica/



...cuenta la historia de Clara, una misteriosa enfermera que vive en las afueras de São Paulo y que es contratada por la rica y fascinante Ana. Clara debe cuidar de Ana y su bebé durante y después del embarazo.

Pero ¿quién es la enigmática Ana, mitad mujer fatal y mitad adolescente rebelde? ¿Qué está pasando en esta inmensa casa, en la que parece que Ana está prisionera? Una relación cada vez más intensa se desarrolla entre ambas mujeres, con misteriosos episodios de sonambulismo en los que Ana camina por las calles de São Paulo en busca de una presa que sacrificar en nombre de un dios sediento de sangre. Una noche fatídica transformará en tragedia el incipiente amor entre las dos mujeres, con consecuencias inesperadas y aterradoras. Así se resume la historia que nuestros jóvenes y audaces directores relatan mientras que nos agarramos a nuestros asientos, retorciendo la cara en muecas de horror.

As Boas Maneiras es el tipo de film que nunca deja de evolucionar, desde el cine de terror (la historia principal) hasta el melodrama (vivido por Clara y Ana) y el musical (la cinta se nutre de momentos musicales llenos de ritmo y muy logrados), con referencias repartidas aquí y allá (La semilla del diablo, Adiós al macho y King Kong, por nombrar unas pocas); hacia el final, la película se transforma en una especie de carnaval de los sentidos.
www.cineuropa.org/es/newsdetail/332675/




13 comentarios:

  1. Gracias por introducir esta buena película. La puedo recomendar a los visitantes del blog. No adelanto mucho, pero si les gusta el cine de Del Toro, encontraran rasgos de esa mezcla deliciosa de fantasía, drama, horror y toques de humor. La banda sonora es también destacable. Agradeceríamos mucho el link.

    ResponderEliminar
  2. A ver si hay suerte y se puede bajar.

    ResponderEliminar
  3. Es una buena película. No perderla de vista. Ojalá pueda lograrse subirla. Lo agradeceríamos mucho. Saludos desde Perú, donde la vimos en Agosto en el Festival de Cine de Lima.

    ResponderEliminar
  4. Gracias por comentar. Casualmente días atrás estuve visitando algunas webs de festivales de cine latinoamericano, entre ellas el de Lima, para recabar ideas/reseñas de películas.
    un saludo

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Muy agradecido por tu contribución. Como buen cinéfilo te dejo dos o tres películas cuya calidad recomiendo : Pájaros de Verano (Colombia), codirigida por Ciro Guerra; Las Herederas (Paraguay), drama intimista que se llevó el premio del jurado y el documental argentino "El silencio es un cuerpo que cae", probablemente la mejor que vi por su exposición y técnica osada y por momentos experimental. Saludos.

      Eliminar
  5. https://anonfiles.com/mdV9j4kbb8/As.Boas.Maneiras.2018.DVDRip_avi
    https://anonfiles.com/y1T1j0k7be/As.Boas.Maneiras.2018.DVDRip.esp_srt

    ResponderEliminar
  6. love to watch this awesome film. unfortunately, the links are down :(
    could you, please, repost them?
    best,
    xxx

    ResponderEliminar
    Respuestas
    1. Here it is:
      https://mega.nz/#!9XZSRQIb!VwIU2WkOPTZOI6y87rj1LYo4se_u4jFFDXqrCTL_qN8

      Eliminar
  7. Este comentario ha sido eliminado por el autor.

    ResponderEliminar